Cio das gatas: algumas dicas sobre este período

Conviver com uma gata no cio pode ser um verdadeiro pesadelo para muitos tutores. Afinal, além do comportamento difícil, típico dessa época, há ainda o risco da temida gravidez indesejada! Por essas razões, é importante saber mais sobre essa fase e sobre os pontos aos quais você deve prestar mais atenção.

A seguir, separamos informações importantes sobre o cio das gatas e quais são os principais cuidados nessa fase. Assim, será muito mais fácil ajudar sua filha de quatro patas a passar por esta etapa da maneira mais segura e tranquila possível!

 

O que é o cio?

O famoso “cio” é temido por muitos tutores, tanto de gatos como de cachorros. Apesar de ser um termo relativamente comum, o que chamamos de cio possui um outro nome entre os especialistas.

É um período em que os níveis dos hormônios reprodutivos das bichanas estão muito altos. Por isso, ela vai mudar de comportamento para chamar a atenção dos machos da região. Dessa forma, esse é o momento ideal para os tutores que planejam cruzar a gata! Já quem deseja evitar a gravidez, é importante ficar atento à uma série de cuidados.

 

Gata no cio: sintomas

Se você está com medo de conviver com o cio de uma gata em casa sem saber, não se preocupe, pois os sinais do estro nas bichanas são bem fáceis de identificar. As principais características são:

  • Comportamento dengoso;
  • Carência e busca por atenção;
  • Micção mais frequente;
  • Urina com odor forte e fora da caixa,
  • Miados altos, principalmente durante a noite.

O primeiro sinal é o comportamento dengoso bem evidente: as gatas costumam rebolar e se esfregar no chão, deixando a genitália bem exposta. Apesar de todo mundo adorar dar um afago ao pet, durante o estro, ele pode ser um pouco incômodo.

Além de excessivamente dengosas, as gatas, às vezes, apresentam sangramento. Mas são os miados, em geral, o grande problema do cio. Mesmo animais calmos e silenciosos, passam a miar de forma intensa, principalmente durante a noite, o que pode perturbar o sono do tutor — e da vizinhança!

 

Quanto tempo dura o cio?

O cio das gatas é bastante diferente do período reprodutivo de outros pets. O cio dos felinos não é parte de um ciclo regular, como nas outras espécies: a duração e os intervalos mudam de acordo com o ambiente.

Para uma gata entrar no cio, é necessário que haja gatos machos não castrados na região. Ao sentir o cheiro deles, o organismo da gata começa a se preparar para a reprodução.

Vale ressaltar que, geralmente, o cio dura entre 5 e 20 dias, mas isso pode mudar a partir dos estímulos ambientais. Se a fêmea continuar na presença de gatos machos, o ciclo pode ter início novamente e, como consequência, acabar durando muito mais. Bem curioso, não é?

 

Cuidados e precauções

Se perceber o típico comportamento de uma gata no cio, o principal cuidado é impedir que ela saia à rua ou receba visitas de gatos machos. Por isso, redes de segurança são essenciais nesse período.

Uma vez no cio, é quase impossível impedir que a gata apresente comportamentos indesejados, como os típicos berros noturnos e as tentativas de fuga, respondendo a uma vontade incontrolável de sair para a rua.

Por esses motivos, o cio pode ser uma fase bastante estressante para o pet e para o tutor. Apesar de encontrarmos muitas receitas de remédios caseiros na internet, eles não possuem efeitos comprovados em amenizar os sinais do cio.

Nesse caso, o que se pode fazer, é lançar mão de feromônios artificiais que buscam acalmar a gata no cio, mesmo que não acabem definitivamente com o problema.

 

Castração, o melhor remédio

Para evitar os incômodos típicos do cio, a principal recomendação dos médicos- veterinários — e única alternativa, de fato, funcional — para os pets, é a castração.

A cirurgia, além de evitar as alterações de comportamento, impede uma gravidez indesejada e previne várias doenças, garantindo uma vida mais saudável e tranquila para as gatinhas.